Consumo: A violência do consumismo na infância PDF Imprimir E-mail
Consumo - Artigos e Teses

 

Por Flávio Paiva:

Das formas de violência que têm perturbado a paz no mundo infantil a prática do consumo inconseqüente é uma das mais intensas e danosas. Por ser, a um só tempo, de ordem ética, econômica, política, cultural, social e ambiental, essa espécie de síndrome do ganho com a destruição contribui fortemente para a exaustão dos recursos naturais e das relações sociais.

A antecipação ao consumismo, produzida pela precocidade infantil, e a elevação da expectativa de vida dos seres humanos, passaram a formar uma equação difícil de ser solucionada. Quer dizer: se o consumo exagerado da grande maioria das pessoas passou a começar bem cedo e está durando por muito mais tempo, a sustentabilidade está comprometida.

O comportamento da sociedade brasileira diante dessa situação ainda é muito passivo, embora já existam diversas movimentações que demonstram posturas mais atentas, tais como as que levaram o Ministério da Justiça a estabelecer a Classificação Indicativa para a programação de tevê, e as demandas tratadas pelo Projeto Criança e Consumo, no sentido de suspender peças publicitárias, consideradas abusiva, dirigidas à criança.

Mesmo assim, o número de pessoas que se mobilizam para influir na reversão desse quadro ainda é muito pequeno. Muitas sequer percebem a gravidade do problema e outras tantas até percebem, mas se sentem tão impotentes diante da situação que acabam atrofiando a indignação sob a máscara de vítima. O fato é que, conscientes ou não, todas sentem o problema na sua extensão cotidiana.

Os principais efeitos do consumismo na infância revelam-se na intranqüilidade freqüente e na insatisfação generalizada, resultante da incapacidade das crianças de lidarem com as suas frustrações. Destituídos de seus desejos autênticos, por conta da erotização precoce, da imaginação pré-realizada, da obesidade forçada pelo nerd-sedentarismo e pelas vendas casadas dos fast-foods, meninas e meninos, tornam-se cada vez mais intolerantes e individualistas.

A violência do consumismo na infância tem contribuído para aumentar o estresse familiar e escolar. A sociabilidade é um desafio que passa pela cultura, pela arte, pela contemplação, pelo amor, pela vontade de inventar um outro estilo de vida, onde a natureza mereça respeito, onde o parâmetro humano seja considerado e onde as crianças possam ter o direito de inventar uma experiência para si mesmas, sem o assédio estúpido da pedofilia de mercado.

Flávio Paiva é jornalista, colunista semanal do jornal Diário do Nordeste, autor de vários livros infato-juvenis e é membro do conselho do Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana (ong que trata das questões do consumismo na infância) .

Contato: Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo. Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.
Linque: www.flaviopaiva.com.br
Linque do Instituto Alana: www.alana.org.br
Linque do Diário do Nordeste: www.diariodonordeste.com.br

 
Comentários (6)
Comentário sobre a TV
6 Dom, 18 de Dezembro de 2011 19:59
Ana Lucia Lemes
Sou mãe e professora e infelizmente lido com essas questões diariamente, o consumismo inicia na infância e a causa maior deste dilema na escoal e em nosso lares é a Tv que esta dominando as mentes de nossas crianças.

Indico o livro Liga-Desliga que trata do tema para pais e professores lerem para as crianças e discutirem. Precisamos acabar com essa indústria.
Apropriação da subjetividade humana por meio da propaganda.
5 Seg, 10 de Maio de 2010 20:47
???
Eu sou docente da UNESP. Certa vez ao provocar, em sala de aula,uma reflexão sobre o livro "País Fast Food" de E. Schlosser (Ática, 2001) fui agredido verbalmente por alguns estudantes. O autor do livro demonstra como até Piaget é utilizado pela "ciência administrativa" para administrar as crianças e gerar o consumidor fiel do "berço ao túmulo". Os estudantes defenderam esta perspectiva destruidora da infância e da natureza pelo capitalismo predador. Já estavam doutrinados pela liberdade de mercado, docilizados em suas almas pelo mundo da mercadoria,coisificados pelo fetiche da mercadoria. É o pragmatismo acima de tudo! Saludos, Felipe Luiz Gomes e Sil.va
Consumismo na infância
4 Qui, 07 de Agosto de 2008 11:42
???
...é, é uma grande piração. Se formos pensar mais profundamente nos daremos conta que nós, os que escrevemos, e temos uma imensa responsabilidade nas mãos, também estamos contribuindo para que o processo ande. Para que aconteça. É claro que temos que considerar que estaremos tratando de livros infantis. Material didático que não está isento de conter "algum lixo" também. Somos igualmente "incentivadores" de tal consumo uma vez que trabalhando nossos livros nas escolas induzimos as crianças a adquirí-los. A mercadoria no caso é necessária, útil. Eu diria que imprescindível na formação cultural das crianças, mas, não estamos também colaborando para este tal "consumismo"????? O livro é importante na vida de qualquer um. Em qualquer faixa etária. É uma questão de educação. De formação culturale intelectual. Quem dera que nossas crianças os amassem como os amam alguns escritores. Quem dera que nossas crianças somente quisessem adquirir LIVROS. O máximo que iria acontecer, é que também estaríamos contribuindo no processo, de forma saudável, é claro, mas os incentivando ao consumo, certamente. Quem dera se o mundo não girasse apenas em torno disto. Poderíamos até de vez em quando nos considerarmos humanos. Abraços,
Consumismo na infância
3 Sáb, 05 de Julho de 2008 18:32
???
Ah! e se experimentarmos no nosso corpo, desde muito cedo uma prática de não consumismo, de abundância pelo que basta agora, capacidade de vivenciar o renovável, sem acúmulo, sem exagero, sem consumismo....?
É... se pensarmos que a amamentação é exatamente isto... uma experiência de relação, de troca, de respeito, de saciedade pela qualidade e não pela quantidade, de confiança na próxima refeição sem desperdício.... Isto podeiria servir para apresentarmos um novo paradigma nas gerações que chegam... Sonho? Utopia? Juntos de mais outros vira projeto, ação.
Abraços, Maria Lúcia
a violênicia do consumismo na Infância
2 Ter, 01 de Julho de 2008 23:34
???
Olá Flavio! Concordo plenamente com suas opiniões expressas no artigo . Realmente a mídia bombardeia nos lares o tempo todo. Cabe a nos pais e educadores a cada dia tomar conciência e trabalhar com nossos filhos as reais necessidades do que precisamos , através de uma conciência transdisciplinar. È preciso trabalhar o ser ao invès do ter.
A violência do consumismo na infância
1 Seg, 30 de Junho de 2008 16:11
???
Como pai de tres crianças na faixa dos 08 aos 12 anos me solidarizo com as opiniões expressas no artigo, verifico que, diariamente, meus filhos são bombardeados com todo o tipo de apelo comercial e constato a ansiedade que isto gera. Além disso a questão dos recursos esgotáveis do planeta parece estar sendo ignorada por nossa sociedade.

Adicione seu comentário

Seu Nome:
Seu e-mail:
Seu website:
Assunto:
Comentário: